Problemas decorrentes a próteses de mama

  • Cirurgia Plástica

Nos últimos meses houveram muitas informações na mídia a respeito de próteses de mama com problemas. Para entendermos o problema devemos saber que as próteses são feitas com silicone altamente coesivo de padrão cirúrgico e que duas empresas a PIP(francesa) e a Rofil(holandesa), sendo ambas do mesmo dono, começaram a usar silicone industrial (não cirúrgico) nesses implantes. Isso implica que caso esses implantes romperem a pessoa pode ter contato com material que potencialmente poderia causar infecção, por isso a instrução de trocar próteses rompidas. Tendo em vista todo o transtorno mundial causado por esse episódio, resolvemos escrever algumas regras a serem adotadas pelas pacientes para ter maior segurança com essa cirurgia.

  1. Escolha do médico:
    Acredito que de tudo escrito isso seja o mais importante. Saiba aonde o seu profissional é formado e aonde fez residência. A escolha deve recair sobre o profissional especializado e treinado adequadamente para fazer o tipo de intervenção proposto. Sempre consulte o Conselho Regional de Medicina do seu estado e confira se o médico que você deseja se consultar está inscrito como cirurgião plástico, ainda poderá consultar a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (www.cirurgiaplastica.org.br).
  2. Informações de outros pacientes:
    Busque pessoas que já operaram com esse profissional, descubra outras pessoas que foram operadas por este médico, pergunte sobre o seu trabalho, sobre o atendimento, ambiente, seriedade, local onde foram operadas, conduta ética. Hoje em dia uma maneira fácil de conhecer pacientes de seus médicos e através de redes sociais como o Facebook (ex. http://www.facebook.com/#!/luisedub), muitas vezes você consegue conhecer pessoas que operaram com ele e ter uma boa ideia de suas condutas.
  3. O Hospital:
    A cirurgia de prótese de mama, apesar de ser um procedimento simples continua sendo uma cirurgia como outra qualquer e os devidos cuidados devem ser tomados. Necessita de treinamento e preparo do médico, de sua equipe e do local onde será realizada. O hospital escolhido devem ter equipe de anestesiologistas, enfermagem e equipamentos que possibilitem oferecer segurança aos pacientes no procedimento em questão. Na medicina é importante dar ênfase à prevenção das complicações, para isso existe a avaliação e o preparo pré-operatório, que deve ser rigorosamente seguido. Por isso somos tão rigorosos no pré-operatório, todos aqueles exames exigidos só se traduzem em uma maior segurança para o procedimento. O fato de ter UTI ou não dentro do hospital deve ser avaliada com critério, pois é o profissional da anestesiologia quem assiste ao paciente durante e logo após o procedimento cirúrgico, não é a UTI quem presta este serviço, daí um centro cirúrgico bem equipado e com profissionais com experiência neste setor é quem garantirão, junto da equipe cirúrgica, um atendimento de excelência ao paciente.
  4. A indicação:
    Toda cirurgia deve ter indicação precisa tendo em vista o que a paciente tem em mente. Em cirurgia plástica o resultado nunca pode ser prometido, pois ela é uma cirurgia de meio e não de resultado, sendo assim você deve optar por um médico com boas referências que consiga entender o que você gostaria de atingir. Cada pessoa deve ser tratada individualmente, não existe formula de bolo para próteses, cada pessoa deve ser avaliada e partindo da situação prévia construir um caminho para o resultado almejado.
  5. Exames pré-operatórios:
    Como é um procedimento cirúrgico, necessita de avaliação pré-operatória com exames de sangue, exames de imagem, e cardiológico, além dos casos de exceção onde outros exames e pareceres serão também necessários. É a fase de pesquisa da saúde do paciente e onde podemos identificar fatores que possam causar risco à saúde ou até a vida dos mesmos. Fundamental uma investigação pré-operatória bem feita. Como sempre dizemos, tudo isso só se traduz em uma maior segurança, que é o que deve guiar tudo feito em cirurgia plástica.
  6. Cuidados pós-operatórios:
    Sempre dizemos que a cirurgia plástica pode ajudar muito, mas a pessoa tem que se ajudar também! Por isso a pessoa tem que ter um pós-operatório adequado com repouso, drenagens feitas por pessoas com treinamento adequado para pós-operatório, uso de cintas modeladoras adequadas, cuidados e orientações quanto aos movimentos e posições ,além de cuidados gerais como alimentação adequada e mudanças de hábitos de vida. As revisões devem ser feitas pelo profissional que operou e não por outras pessoas, como algumas vezes acontece.
  7. Tempo de cirurgia:
    A cirurgia de prótese normalmente demora em média uma hora. Não deve demorar demais pois quanto maior o tempo o risco de complicações aumenta. Para isso somam-se experiência e habilidade do cirurgião. A cirurgia deveria durar sempre o menor tempo possível. Uma equipe entrosada ganha entre 30 a 40% de tempo em relação aos que trabalham sem equipe ou com equipes desentrosadas. Evite operar com médicos que operam só com instrumentadoras, pois além de ser proibido pelo CRM/CFM eles tendem a demorar muito mais.
  8. Qual a prótese a ser usada:
    Nesses últimos tempos tivemos muitas notícias a respeito de problemas com próteses. Mas em geral pergunte qual a origem da prótese, se ela já está no mercado há muito tempo e principalmente se ela tem os devidos padrões e certificados dos órgãos certificadores internacionais.

Conclusão:
Procure com paciência e critério o seu cirurgião. Cuidado com cirurgias de próteses de mama e demais procedimentos cirúrgicos com baixo custo, pois certamente alguma coisa importante esta sendo “substituída” ou descartada e que não dará o mesmo resultado, pois em todo o mundo a medicina tem custo médio a alto, não seria aqui diferente.

Dr. Luis Eduardo Barbosa

O Dr. Luís Eduardo Barbosa (CRM 9369ES) formou-se em medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP–USP), em 2001, fez residência médica de Cirurgia Geral pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto (HC-FMRP-USP), tendo completado seus estudos de Cirurgia Plástica na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), todas instituições tidas como as melhoras na área em toda a América Latina e das melhores do mundo.