Dúvidas frequentes sobre Rinoplastia

  • Cirurgia Plástica
  1. Posso deixar meu nariz como o de outra pessoa?
    Sempre temos que orientar os pacientes que o nariz deve ser melhorado, dentro das possibilidades de cada pessoa. O primeiro objetivo é melhorar a harmonia facial, sendo temos que trabalhar analisando as estruturas faciais da pessoa, não dá para falar que vai ficar igual o de alguém, pois teríamos que modificar provavelmente várias outras estruturas além do nariz.
  2. Meu nariz é muito grande, existe a possibilidade de deixar ele pequeno?
    Novamente voltamos a situação que o nariz está inserido na face, sendo assim não podemos deixar uma pessoa que tem um nariz grande, com um nariz pequeno. Pois, provavelmente, quando analisado tudo em conjunto, essa diferença de grande para pequeno fica desproporcional ao resto da face. Assim quando estou ensinando cirurgia de nariz sempre falo para os cirurgiões menos experientes que devemos sempre falar que podemos ir de um nariz grande para um médio e de um médio para um pequeno. Mas nunca de um grande para um pequeno, se não quebramos a harmonia facial que é o nosso objetivo final.
  3. Preciso fraturar o nariz?
    A fratura de nariz é a última da fase de minha cirurgia de nariz. Depois que trabalhamos na ponta, dorso e ângulo nasolabial devemos então verificar se a estrutura do osso nasal está adequado para o nariz novo. Se necessário então fraturamos o osso nasal, sendo assim fraturamos quando há necessidade.
  4. Todos os cirurgiões plásticos realizam cirurgias de nariz?
    Apesar de todos terem o treinamento em nariz, acredito que somente pessoas especializadas/aprofundadas no assunto deveriam a realizar. Pois é uma cirurgia muito específica que necessita de muito treinamento com bons profissionais, sendo que os mais conhecidos infelizmente estão fora do país, pois afinal cada milímetro faz diferença no resultado final.
  5. Como é o pós operatório? Dói?
    É dos pós operatórios mais tranquilos em relação a dor em cirurgia plástica. Acredito que temos excelentes remédios para dor para qualquer cirurgia plástica, mas especificamente em nariz a dor não é uma queixa normal, sendo que normalmente até usamos menos medicamentos do que em outras cirurgias. Sempre falo que o mais chato é a sensação de gripe por alguns dias que a pessoa pode ficar. Em relação a parte estética/social no pós operatório sempre aviso que a pessoa vai usar curativo com Micropore sobre o nariz nas primeiras 2 semanas. Sendo que na primeira semana pode ser necessário um curativo rígido sobre esse primeira camada de Micropore.
  6. Quais as maiores motivações e como o paciente deve encarar a rinoplastia?
    Geralmente o paciente apresenta um nariz desproporcional em relação ao resto da face, o que pode ou não estar afetando sua interação social com as pessoas ao seu redor podendo, até causar em casos extremos isolamento. Primeiramente os pacientes devem saber que não existe nariz perfeito. Todos nós temos defeitos que seriam facilmente detectáveis por um especialista nesse tipo de cirurgia. Por isso, o paciente deve encarar a cirurgia como uma maneira de MELHORAR o formato do seu nariz. Logo, o resultado deve ser analisado como um todo, se o paciente analisar cada milímetro do nariz operado, ficará extremamente estressado após a cirurgia! A perfeição nesta cirurgia pode até ser atingida, mas é pouco provável pois trata-se de uma cirurgia muito difícil e cujo tecido de cicatrização não está sob o controle do cirurgião. O grande inimigo desta cirurgia é a fibrose que se forma após a cirurgia e que tende a puxar as cartilagens e/ou gerar deformidades de contorno, . Por isso, é muito importante que o médico saiba utilizar as técnicas corretas para evitar o efeito deletério desta fibrose. Mas mesmo assim há risco do resultado ser desfavorável se o corpo responder de uma forma inesperada! Portanto, a “culpa” muitas vezes não pode ser atribuída ao médico. Sendo assim a necessidade de procurar um médico adequado, para realizar a cirurgia da primeira vez é importantíssima, pois todos esses fatores deletérios são maiores em reoperações.
  7. A rinoplastia é uma cirurgia rápida? Qual o porte e complexidade dela?
    A rinoplastia é tida como uma cirurgia de médio porte e de altíssima complexidade, consequentemente ela não é rápida. Por isso devemos ter medo de profissionais que falam, que vão fazer algo funcional e poderia aproveitar para fazer a parte estética. Ela deve ser encarada adequadamente com a sua complexidade, logo é MUITO importante que seja feita como a parte principal e não um “tapinha” para ajudar. Existem congressos internacionais os quais frequentamos que são quase que exclusivamente para tratar essas cirurgias “rápidas”, e muitas vezes o tratamento dessas lesões secundárias são de uma complexidade que poucas pessoas são habilitadas para corrigir.
  8. Em que local do nariz ficam os cortes (cicatrizes)?
    Existem 2 técnicas para a rinoplastia, a exorinoplastia e a endorinoplastia. A endorinoplastia normalmente permite que as cicatrizes fiquem escondidas dentro da cavidade nasal. Nestes casos, não haverá cicatriz externa. Já na exorinoplastia existem cicatrizes externas pouco aparentes, como consequência de incisões feitas na columela (estrutura que separa as narinas) ou nas asas nasais, na área do sulco formado entre elas e a face. Nestes casos, impõe-se a colocação destas cicatrizes externas para se proporcionar um melhor resultado à forma final ou mesmo à fisiologia nasal.
  9. Qual a preferencia em seu serviço, exorinoiplastia ou endorinoplastia?
    Na quase totalidade, fazemos exorinoplastia, pois se tratando de uma cirurgia muito delicada e muito difícil, uma melhor visualização de todas as estruturas é importantíssimo (que a exorinoplastia proporciona). Mas o principal é que, em muitos anos realizando e principalmente estudando essa cirurgia em congressos nacionais e internacionais, nunca fui convencido que a endorinoplastia conseguisse resultados como a exorinoplastia. Portanto o argumento da endorinoplastia de não ter cicatrizes externas é derrubado mediantes os melhores resultados da exorinoplastia. Somente em raros casos em que a paciente apresenta uma ponta bem definida e ângulos nasais adequados, porem com um dorso inadequado, acabo optando pela endorinoplastia (mas são casos muito selecionados em que acredito que não haveria prejuízo estético pelo fato de não fazer a exorinoplastia)..
  10. Posso escolher o formato do meu futuro nariz?
    Obviamente que a sua opinião é importantíssima na escolha da técnica a ser utilizada. Mas existe um equilíbrio entre o nariz e o restante do rosto, e cada cirurgia deve ser planejada pensando na paciente e sua estrutura facial, e não pensando em um nariz de outra pessoa que muitas vezes tem a face incompatível com a da paciente. Esse equilíbrio o cirurgião deve observar, para que se obtenha um resultado natural. A qualidade da pele do nariz interfere demais no prognóstico do resultado almejado. Cada caso é analisado minuciosamente, a fim de que se possa dar ao nariz a melhor forma possível, dentro das exigências da face. Cirurgião e paciente deverão estar de acordo com o resultado possível de se obter. Temos que lembrar também que não podemos prejudicar a parte funcional em função da estética.
  11. Qual a evolução pós operatória?
    Notamos, de um modo geral, 3 fases de evolução pós-operatória. A primeira compreende em média as 2 primeiras semanas, em que o paciente apresenta ainda roxidão e inchaço mais intensos. Na fase intermediária, após 6 a 8 semanas, o inchaço já regrediu em sua maior parte e o paciente começa a perceber as mudanças do formato nasal. E na fase mais tardia, entre 6 meses a 1 ano, o resultado já poderá ser encarado como final (não antes disso).
  12. Quanto tempo dura o resultado obtido?
    O resultado de uma rinoplastia persiste por longo tempo. Após alguns anos, como em qualquer parte do organismo, poderão ocorrer algumas alterações morfológicas na região nasal.
  13. Qual a função do curativo?
    O curativo tem como finalidade imobilizar os tecidos até que o corpo produza tecido cicatricial para manter as estruturas esculpidas no lugar, acelerar a reabsorção do inchaço através de compressão, auxiliar na moldagem estética do resultado e evitar o acúmulo de sangue entre o esqueleto do nariz e a pele. Acreditamos ser mais seguro utilizar uma estrutura mais rígida (gesso, aquaplast, placa de alumínio, etc) por questões de segurança, mas não é obrigatório. O mais importante é o micropore que não deixa edemaciar tanto. A eficiência do curativo, devido a todos os ítens expostos acima, é maior desta forma.
  14. Como é realizado o tratamento do nariz torto?
    Na maioria dos casos, o cirurgião deve tratar o desvio de septo (principal causador do problema) quase sempre retirando o segmento desviado. Feito isso, é importante executar manobras cirúrgicas para “quebrar” a memória da cartilagem. Uma das técnicas que usamos é o enfraquecimento da cartilagem realizando pequenos cortes no lado OPOSTO da cartilagem desviada (ex. se o septo está desviado para a direita, as incisões são feitas do lado esquerdo do septo). Estes fazem com que a cartilagem se curve sozinha para o outro lado, resultando num septo reto. Finalmente, é importante fixar o septo na posição reta usando enxertos de cartilagem e/ou pontos de fixação. Se as estruturas vizinhas ao septo estiverem contribuindo para o desvio, elas devem ser abordadas também. O mais freqüente é haver algum grau de desvio dos ossos nasais, que devem ser fraturados e alinhados corretamente. Por fim, os splints ajudam a manter o septo reto enquanto os tecidos cicatrizam nos primeiros dias. Infelizmente, não há garantia de que o nariz ficará reto após a cirurgia devido à temida “memória” da cartilagem. Mas se os passos descritos acima forem seguidos, geralmente o resultado é satisfatório com uma melhora da aparência.
  15. Com que idade podemos nos submeter a rinoplastia?
    É importante ser maior de 17 ou 18 anos, ou seja, que as estruturas estejam já desenvolvidas.
  16. O que é Fibrose?
    A fibrose é um outro nome para o tecido de cicatrização que sempre se forma entre as cartilagens do nariz e a pele após a cirurgia. Em condições ideais ela se forma e não atrapalha o resultado. Porém, em alguns casos pode haver proliferação excessiva gerando alterações de contorno e/ou distorções das cartilagens. Existe uma predisposição genética e pessoas com pele grossa são especialmente predispostas, mas acreditamos que o principal motivo disto acontecer é a execução inadequada da cirurgia. Alguns motivos: reduzir demais o esqueleto, deixando a pele sem suporte e permitindo o acúmulo de sangue entre a pele e as cartilagens após a cirurgia; execução incorreta do curativo; etc.
  17. Em quanto tempo a sensibilidade da ponta do nariz retorna?
    Geralmente em alguns meses. Mas isto pode demorar 1-2 anos.
  18. Como que o paciente deve encarar uma rinoplastia secundária (conserto)?
    A realização de uma segunda rinoplastia depende do grau de insatisfação do paciente, que deve lembrar que nenhum de nós possui um nariz perfeito e que a segunda cirurgia é sempre mais difícil do que a primeira. Inclusive, o nariz pode ficar com uma aparência pior se a técnica correta não for utilizada e/ou o corpo responder de uma forma imprevisível. Portanto, sugerimos que o paciente realize a cirurgia somente se estiver muito incomodado com o defeito. Se for apenas um incômodo leve, talvez seja melhor não operar!
  19. Quais são as causas de deformidades da ponta nasal após a rinoplastia?
    Formação de uma ou mais dobras de cartilagem, causada(s) pela contração do tecido de cicatrização que sempre se forma após a cirurgia. Escultura imprecisa ou assimétrica das cartilagens da ponta. Desalinhamento das cartilagens da ponta, fazendo com que uma parte da cartilagem se insinue contra a pele e seja palpável. Isto pode melhorar ou piorar com o tempo. Proliferação local de fibrose.
  20. Quais os motivos de insucesso da rinoplastia?
    Pacientes com características desfavoráveis (ex. pele muito grossa, etc). Inabilidade de entrar em sintonia com o médico em relação às queixas, expectativas e quanto ao resultado efetivamente possível em cada caso. Expectativas não realistas por parte do paciente. Má execução técnica da cirurgia. Colocação errada do curativo ou cuidado inadequado com o mesmo. Resposta imprevisível do paciente, especialmente em relação à produção de tecido de cicatrização (fibrose).
  21. Há perigo nesta operação?
    Normalmente esta cirurgia não está associada à ocorrência de complicações sérias, desde que respeitados certos critérios de risco. Mas como todo ato médico, apresenta um risco variável e a cirurgia plástica como parte da medicina não é exceção. Pode-se diminuir este risco preparando-se adequadamente cada paciente, mas não é possível eliminá-lo completamente. Por isso, todo o rigor no uso de medidas preventivas, tais como um check-up pré-operatório, dentre outras.
  22. O resultado é compensador?
    Se você está ciente do que deseja e das limitações técnicas para o seu caso, e o cirurgião puder lhe propiciar aquilo que você pediu, sem dúvida compensa. Entretanto, é importante levar em consideração o fato de que a cirurgia de nariz não visa transformar você em outra pessoa. Não é possível transformar o seu nariz no nariz de outra pessoa. Você continuará com o seu nariz, porem com características diferentes mais compatíveis com o padrão estético atual. O cirurgião plástico apenas melhorará imperfeições pré-existentes.
  23. Existem garantias de resultado?
    Como tudo em cirurgia plástica, nunca existe garantia de resultado, devido ao material usado, o ser humano. Temos sempre que contar com a imprevisibilidade do resultado, embora resultados desfavoráveis sejam raríssimos, devemos lembrar que cada pessoa reage de uma maneira a um determinado estimulo (no caso a cirurgia). Para isso as pacientes devem se precaver, limitando os seus riscos, procurando profissionais devidamente qualificados e fugir de cirurgias rápidas e com preços baratos. A Rinoplastia é para nós, a cirurgia mais difícil de ser executada, de todos os campos de cirurgia plástica. O seu domínio é lento, difícil e caro (congressos nacionais e principalmente internacionais), logo um profissional gabaritado para o ato não pode ser barato.

Dr. Luis Eduardo Barbosa

O Dr. Luís Eduardo Barbosa (CRM 9369ES) formou-se em medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP–USP), em 2001, fez residência médica de Cirurgia Geral pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto (HC-FMRP-USP), tendo completado seus estudos de Cirurgia Plástica na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), todas instituições tidas como as melhoras na área em toda a América Latina e das melhores do mundo.